“Colocando de forma mais clara: o desejo por segurança e o sentimento de insegurança são a mesma coisa. Prender a respiração é perder a respiração. Uma sociedade baseada na busca da segurança não passa de uma competição de prender a respiração, na qual todas as pessoas estão tão tensas como um tambor e tão roxas como uma beterraba.

Alan Watts, em The Wisdom of Insecurity: A Message for an Age of Anxiety

Virada Cultural: A vocação de SP para erguer muros separando ricos e pobres

Descobertas musicais de 2016 ou: eu já fiz listas assim antes, mas nunca as publiquei

Meu amigo Michel, arrisco dizer uns dez anos atrás, gravou um CD bastante peculiar. Por talvez obra do álcool ou apenas graças a um gosto doido pela mistura de elementos que não foram feitos para andar de mão dada – o que poderia ser facilmente comprovado em nossas experiências culinárias, o CD-R da Sony continha uma seleção tão ímpar que fica até difícil de descrever: começando com música gauchesca, a lista passava por um funk proibidão, seguido de uma piada do Ari Toledo e alguma música do Nightwish apenas reconhecida por fãs de Nightwish. Tudo isso em sequência, sem vergonha de ser feliz. Era como se, a cada faixa nova, você fosse transportado para um novo universo ainda mais bizarro que o anterior.

Inspirado por essa obra vanguardista, resolvi então compartilhar as belas descobertas deste belo ano, que incluem músicas registradas graças ao Shazam, algumas recomendações do próprio Spotify e dicas de amigos e amigas. A playlist abaixo talvez soe meio amigo-vira-DJ-no-fim-da-festa, mas garanto que é de coração.

A alma encantadora das ruas

A rua sente nos nervos essa miséria da criação, e por isso é a mais igualitária, a mais socialista, a mais niveladora das obras humanas.

João do Rio, como ficou conhecido João Paulo Emílio Cristóvão dos Santos Coelho Barreto, foi um escritor brasileiro conhecido pelos contos, concentrados nos primeiros anos de 1900, que tratavam da sociedade e, especialmente, do Rio de Janeiro e seus cidadãos.

Em A alma encantadora das ruas, o autor extrai do Rio de Janeiro do início do século XX aquilo que representa o seu cerne: a rua e seus personagens. O autor a glorifica e descreve esse universo – mercadores a gritar, pintores e estivadores, vagabundos e ladrões, os chineses e seu ópio, prostitutas e pedintes –  de uma forma tão atual que, não fossem os parágrafos rebuscados, seria possível imaginar seus textos sendo escritos dias atrás.

É vagabundagem? Talvez. Flanar é a distinção de perambular com inteligência. Nada como o inútil para ser artístico. Daí o desocupado flâneur ter sempre na mente dez mil coisas necessárias, imprescindíveis, que podem ficar eternamente adiadas. Do alto de uma janela como Paul Adam, admira o caleidoscópio da vida no epítome delirante que é a rua; à porta do café, como Poe no Homem da multidão, dedica-se ao exercício de adivinhar as profissões, as preocupações e até os crimes dos transeuntes.

O flâneur é o bonhomme possuidor de uma alma igualitária e risonha, falando aos notáveis e aos humildes com doçura, porque de ambos conhece a face misteriosa e cada vez mais se convence da inutilidade da cólera e da necessidade do perdão.

Eu fui um pouco esse tipo complexo, e, talvez por isso, cada rua é para mim um ser vivo e imóvel.

Trabalhando com usuários no WordPress.com: minha palestra no 12º Curitiba WordPress meetup

No dia 20/07, eu dei uma palestra no 12º Curitiba WordPress meetup onde falei um pouco sobre a Automattic, o meu atual trabalho como Happiness Engineer e sobre o processo de seleção dentro da empresa. Foi uma conversa longa (quase 2 horas intercaladas com ótimas questões) e o pessoal pareceu bastante interessado no trabalho de suporte a usuário.

Entre os tópicos tratados, estavam:

  • A Automattic como uma empresa distribuída
  • Trabalhando com suporte – como é o dia-a-dia de um Happiness Engineer
  • O processo de recrutamento (antes, durante e depois do teste)
  • Trabalho remoto

Abaixo, os slides da conversa:

Mimimi

Quando você rotula algo como mimimi, você faz isso porque já tentou se posicionar dentro da questão abordada ou, na real, só usa a expressão como um eufemismo para “eu tenho preguiça de / não tenho interesse em tentar entender outro ponto de vista”?
 
Sendo a segunda alternativa correta, você pode trocar o mimimi por calar a boca e assumir que pouco lhe importam os motivos alheios. Além de mais honesto, é show de bola ficar quieto em assuntos que não dominamos nem queremos dominar.