Os smartphones e a cultura da distração

Há alguns meses, tive meu telefone furtado. É que às terças jogo futebol, e numa dessas terças o meu velho celular era o encarregado de marcar o tempo. Só fui lembrar dele em casa, uma hora depois, quando percebi que o desgraçado não estava na minha mochila. “Coisas da vida”, como disse o camarada Kurt Vonnegut.

Devo ter ficando uns dois meses sem telefone. A sensação é maravilhosa. Sério, é lindo demais. Mesmo com toda essa alegria, acabei emprestando um autêntico Mokia de uma amiga; dual chip, duas câmeras e aquela usabilidade notória de um eletrônico feito pra ser barato. Ele mais irrita do que ajuda, mas desconfio que continuo usando o aparelho apenas por possuir duas funções muito boas: fazer e receber chamadas. Ainda assim, vez ou outra me pego pensando em comprar um smartphone, só para ter acesso a uns aplicativos babacas e pra poder usar um aparelho que não me obrigue a pressionar OK quatro vezes para gravar um mísero número na agenda. Mas aí fico com preguiça.

Bem, eu moro com dois amigos, e esses dois amigos são amigos de longa data. Os amigos, eles possuem smartphones. E num desses dias, ao sentarmos na sala pra conversar porcarias, como é o o nosso costume, resolvi repetir com ambos uma pequena experiência feita há um tempo, quando usei como cobaia uma amiga e seu celular que apitava mensagens do WhatsApp a cada 20 ou 30 segundos: apostei então, em silêncio, que eles não conseguiriam ficar dez minutos sem mexer em seus telefones. Sem notícias, sem Facebook, sem SMS, sem aplicativo para descobrir que música está tocando, sem pesquisar qualquer porcaria no Google, sem sequer olhar para o aparelho. Pois bem, ganhei. Resolvi repetir a brincadeira e, vejam só, ganhei de novo.

Acabei lembrando exatamente desses três amigos quando assisti ao seguinte vídeo, colocado por Joe Kraus em seu último post dentro do Google Ventures. Um pouco genérico, eu sei, mas cumpre a função.

E eu continuo apostando, sempre na esperança de perder.

Publicado por Eduardo Z.

“That's one thing Earthlings might learn to do, if they tried hard enough: Ignore the awful times and concentrate on the good ones."

Participe da discussão

2 comentários

  1. meu celular com mil e uma funcionalidades quebrou faz um tempo, ta no conserto … já esta pronto, mas tô com preguiça de buscar, esta sendo mto relaxante ficar sem ele rs [espero que ele ainda esteja lá quando eu for pegar] poste com mais frequência (:

    1. Farei isso, Michelle! E obrigado pelo comentário – é o primeiro. 🙂

Deixe um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: