WordPress 3.6: suporte a áudio e vídeo no core

Eeeeeita
Eeeeeita

Enfim, um pedido antigo foi atendido. A partir da versão 3.6, o WordPress terá suporte no core para arquivos de áudio e de vídeo. O que isso significa? Bem, isso quer dizer que você não dará mais aquela brochada, costumeira de outras versões, cada vez que clicar no botão de mídia esperando um milagre. Agora, com a ajuda da biblioteca escolhida MediaElement.js, as mídias usarão as tags de áudio e vídeo do HTML5 sempre que houver suporte. Caso contrário, os plugins do Flash ou do Silverlight entram em ação.

Outras coisas legais:

  • Novos shortcodes  e , com um belo número de parâmetros;
  • Novas funções para desenvolvedores de temas: the_post_format_audio() and the_post_format_video();
  • A possibilidade de mudar o estilo dos players via CSS;
  • E, se você em TOC com as tags ID3 das suas mp3, ficará feliz em saber que esses metadados estarão disponíveis automaticamente na página da sua mídia.

Leia mais no Make WordPress Core.

Há 50 anos

f37_09120159
Estudantes brancos, em Birmingham, Alabama, arrastam um boneco afro-americano pela West School High End, em 12 de setembro de 1963. Duas meninas afro-americanas freqüentavam a escola não segregada e, por isso, a maioria dos estudantes brancos não estava indo às aulas. A polícia parou esse carro em uma caravana segregacionista em frente a escola para alertá-los sobre alta velocidade e uso de buzinas em frente a uma instituição.

Primeiras pequenas impressões do Twenty Thirteen, o novo tema do WordPress 3.6

Mark Jaquith, líder de desenvolvimento do WordPress 3.6, fez, há poucos minutos, o anúncio do primeiro esboço do Twenty Thirteen, o novo tema que acompanhará a nova versão da plataforma, marcada para sair no final de abril.

Continue lendo “Primeiras pequenas impressões do Twenty Thirteen, o novo tema do WordPress 3.6”

Mostrando os custom fields ocultos do WordPress

Como alguns amigos devem saber, o WordPress, por padrão, não mostra os custom fields (os campos personalizados, aqui no Brasil) cujas chaves começam com underscore (“_”). Às vezes, no entanto, você sente a necessidade de ver tais campos na tela – no meu caso, eu precisava ter acesso aos campos oEmbed do WordPress, e a chave sempre começa com “_oembed_”.

Pois bem, antes a dica era adicionar uma pequena linha em CSS ao filtro admin_head, já que os campos apenas eram escondidos com uma classe “hidden”. Porém, a partir da versão 3.1.3, basta adicionar um filtro para a função is_protected_meta() e trocar aquele underscore por um outro caractere qualquer. Um hífen, por exemplo, já me quebrou o galho.

Não esqueça de desabilitar o filtro após fazer os testes. É prudente manter essas chaves escondidas.

Henry Rollins falou, tá falado

I beg young people to travel. If you don’t have a passport, get one. Take a summer, get a backpack and go to Delhi, go to Saigon, go to Bangkok, go to Kenya. Have your mind blown. Eat interesting food. Dig some interesting people. Have an adventure. Be careful. Come back and you’re going to see your country differently, you’re going to see your president differently, no matter who it is.  Music, culture, food, water. Your showers will become shorter. You’re going to get a sense of what globalization looks like. It’s not what Tom Friedman writes about; I’m sorry. You’re going to see that global climate change is very real. And that for some people, their day consists of walking 12 miles for four buckets of water. And so there are lessons that you can’t get out of a book that are waiting for you at the other end of that flight. A lot of people—Americans and Europeans—come back and go, Ohhhhh. And the light bulb goes on.
Henry Rollins

Dá pra ler a entrevista completa no World Hum.

happytables, agora gratuito

Cadastrando os pratos do meu restaurante, o Loco Abreu’s

Como já dito aqui neste tão lido blog, o happytables é um serviço de criação e acompanhamento de sites para bares e restaurantes. Cadastro de pratos, de informações sobre o local, integração com Foursquare e Facebook, é tudo muito melzinho na chupeta.

Pois bem, agora o happytables também possui uma versão gratuita. Claro, há limitações: caso deseje manter o dinheiro no bolso (a assinatura custa 39 dólares mensais, um valor bem justo), algumas opções, tais como a possibilidade de criar seu próprio CSS, de incluir seus dados para as ferramentas Webmaster e Analytics do Google e de gerenciar eventos, não estarão disponíveis É só dar uma olhada na lista de funcionalidades e ver qual é a melhor opção para você. Ou para seu cliente, claro.

Blind Guardian, Curitiba (14/08/02)

Blind Guardian, 2002

Blind Guardian deve ter sido o primeiro show grande de metal que eu vi na vida. Diferente de uns dois amigos que exageraram na cachaça, eu de fato vi o show completo e me orgulho de ter ficado, ainda que levemente embriagado, na grade to Moinho São Roque por pelo menos umas oito músicas. Me senti um vitorioso.

A versão acústica de Bright Eyes foi a primeira música que ouvi dos alemães, e talvez queime o filme em assumir que ainda a acho muito boa:

Eis o setlist do show.